MUNDO MISTERIOSO: MUSEU DAS ALMAS DO PURGATÓRIO

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Jolie 17/05/2021 Relatar Quero comentar

Inúmeras coisas estão acontecendo no mundo. A nossa responsabilidade é oferecer as notícias mais recentes e úteis.

O único museu do mundo, onde você poderá ver evidências físicas da interação de almas do purgatório e o mundo humano coletadas pelo planeta.

Na Igreja do Sagrado coração do Sufrágio, em Roma, está o  MUSEU DAS ALMAS DO PURGATÓRIO, onde estão alguns objetos que supostamente provariam a comunicação entre as almas do purgatório com os humanos.

Inaugurado em 1917, ele permaneceu oculto até o ano de 2006, quando o programa Fantástico revelou sua existência pela primeira vez ao mundo…

Veja abaixo objetos que foram marcados pelos espíritos, atentos as evidências:

1 – Marcas de fogo no avental da Sóror Margarida Maria Herendorps, beneditina do mosteiro de Winnenberg, Alemanha.

Nesta imagem vemos uma marca de fogo deixada no avental da Sóror Margarida Maria Herendorps, religiosa do mosteiro beneditino de Winnenberg, na Alemanha.

As mãos seriam da Irmã Clara Schoelers, que morreu da peste em 1637.

2 – Marca deixada na camisa do filho, que teve a visão de mãe Leleux falecida, 27 anos depois de sua morte.

A marca acima foi deixada pela falecida senhora Leleux, quando o filho teve a visão da mãe, falecida 27 anos antes. Este homem ficou atormentado por muitas dúvidas a ponto de ficar doente.

E a mãe apareceu, e lembrou o jovem a obrigação de ir a Missa aos domingos e de trabalhar um pouco pela igreja.

Como prova pôs a mão sobre a camisa do filho, deixando uma marca visibilíssima e pediu-lhe para voltar a ser um bom cristão.

Mais tarde Joseph Leleux se converteu e fundou uma congregação de leigos piedosos.

3 – Uma das 3 marcas deixadas pelo abade Panzini.

A base de madeira da mesa pertencente a Venerável Madre Isabella Fornari, abadessa das Clarissas, mosteiro de São Francisco de Todi, ostenta a clara marca de uma mão.

A marca, impressa em fogo na mesa, foi deixada pelo falecido abade, Padre Panzini, da Ordem Beneditina Olivetana em Mântua em 1 de novembro de 1731, como uma mensagem de que ele estava sofrendo no purgatório.

Ao mesmo tempo, Madre Isabella relatou a seu confessor, Padre Isidoro Gazata, que a pobre alma colocou a mão na manga de seu hábito, abrindo um buraco através dela. A escrivaninha e a roupa queimada estão na coleção do museu.

4 – Vários livros com marcas de mãos queimadas fazem parte do acervo

Quase todas essas evidencias foram acompanhadas de visões dos mortos pedindo orações pelas suas almas, como também aconselhando os vivos.

Este site fornece o conteúdo e as informações mais úteis para todos os usuários do site.

As notícias mais recentes e mais interessantes Também podem ser encontrados naqui.

Se goste a nossa site, preste atenção ao nosso site, fornecerem os informações mais valiosas.

Comentário do usuário