Os principais pontos da entrevista bombástica de Meghan e Harry

Rai007 11/03/2021 Relatar Quero comentar

Racismo, pressão, pensamentos suicidas: na primeira grande entrevista após se afastar da família real britânica, casal revela detalhes sobre a vida que levavam.

Em entrevista concedida à estrela de televisão americana Oprah Winfrey, o príncipe Harry e sua esposa, a duquesa de Sussex, Meghan Markle, falaram sobre a dificuldade de conviver com a família real britânica, racismo e depressão.

Foi a primeira grande entrevista do casal desde que anunciou o afastamento da família real em troca de poder ter uma vida independente.

A entrevista bombástica deve acirrar ainda mais as relações conturbadas entre o casal e a monarquia britânica. As declarações de Harry e Meghan sobre assuntos delicados têm potencial de manchar a imagem da família real.

Confira os principais pontos da entrevista que foi ao ar neste domingo (07/03) nos Estados Unidos:

Sobre a relação com a família real:

Meghan disse que a família real e as pessoas que comandam a instituição são coisas separadas. Ela afirmou que a rainha Elizabeth 2ª sempre foi "maravilhosa" com ela e a fazia se sentir bem-vinda.

Ao ser questionada por Oprah se a atriz escolheu o silêncio ou foi silenciada, Meghan respondeu apenas "o último". Ela acrescentou ainda que, embora o palácio estivesse disposto a mentir para proteger outros membros da família real, "eles não estavam dispostos a falar a verdade para me proteger e proteger o meu marido".

Harry revelou ainda que seu pai, o príncipe Charles, parou de atender suas ligações após ele ter contado sobre os planos de abandonar a vida real. Ele disse que tanto o pai quanto o irmão, o príncipe William, estão "presos" em seus papéis e não conseguem deixá-los. Ele acrescentou que sente pena por eles.

Harry disse que sua falecida mãe, a princesa Diana, ficaria "muito zangada e triste" pela forma como ele e Meghan foram tratados. Ela gostaria que eles fossem felizes.

O príncipe revelou também que parou de receber recursos financeiros no primeiro trimestre de 2020, mas continuou recebendo a herança de sua mãe.

Harry contou ter uma forte ligação com a rainha e que seu pai voltou a atender suas ligações. No momento, a prioridade do príncipe é curar a relação que tem com Charles.

"Meu arrependimento é ter acreditado quando disseram que eu estaria protegida", lamentou Meghan.

Sobre racismo:

Meghan, que é filha de uma afro-americana, afirmou que havia uma preocupação com relação ao quão "escuro" o filho do casal poderia ser. Além disso, a criança não teria direito à segurança do palácio por não ser príncipe.

Nenhum dos dois revelou quem havia expressado a preocupação em relação à cor da pele de Archie, apenas deram a entender que seria um membro da família real.

Harry criticou ainda o fato de seus familiares terem silenciado sobre reportagens racistas que atacaram Meghan. "Isso machuca", acrescentou.

Sobre saúde mental:

Meghan revelou que a intensa pressão que sofreu a fez pensar em suicídio.

Ela disse que falou ao palácio que precisava de ajuda para problemas de saúde mental, mas não recebeu nenhum apoio.

"Eu simplesmente não queria mais viver. E esse foi um pensamento constante, aterrorizador, real e muito claro", disse Meghan.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário