Acaba de ser derrubado um dos maiores mitos da gravidez humana

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Jolie 09/06/2021 Relatar Quero comentar

Inúmeras coisas estão acontecendo no mundo. A nossa responsabilidade é oferecer as notícias mais recentes e úteis.

Asabedoria convencional nos faz pensar que o útero é um ambiente bastante estéril, pelo menos no que diz respeito aos germes. 

No entanto, estudos recentes sobre placenta, líquido amniótico e até mesmo o primeiro cocô do bebê, disseram exatamente o contrário.

Um em especial, feito por pesquisadores australianos da UniversidadeEdith Cowan e da Universidade da Austrália Ocidental, observou que as nossas bactérias têm origem dentro do útero e não fora dele.

Os pesquisadores aplicaram medidas rigorosas de controle para isolar bactérias existentes no líquido amniótico e  mecônio (material produzido pelos recém-nascidos e semelhantes a fezes).

O resultado, segundo a bióloga reprodutiva Lisa Stinson, da Universidade da Austrália Ocidental, desafia a antiga ideia de que o útero é um ambiente estéril.

No entanto, há quem argumente que os resultados são falsos positivos e as bactérias encontradas, na verdade, são contaminantes presentes em reagentes usados ​​na análise de DNA – embora isso não tenha sido confirmado.

Considerando essa possibilidade, Stinson e sua equipe garantiram que seus materiais fossem tão limpos quanto possível, deixando pouco espaço de dúvida para a presença de qualquer bactéria na amostra antes da extração.

Algumas dessas amostras vieram de 43 mulheres grávidas que deram à luz através de cesariana.

Durante o parto, 10 mililitros de líquido amniótico foram cuidadosamente coletados imediatamente na incisão e transferidos para tubos esterilizados.

No dia seguinte, 50 amostras de mecônio foram coletadas dos recém-nascidos, também tomadas com cuidado para não serem contaminados com bactérias do ambiente.

A equipe então foi em busca de sinais de DNA bacteriano. Para garantir que não houvesse genomas perdidos escondidos nos reagentes, aplicavam-nos com uma enzima que rasgaria fragmentos de DNA. 

Assim, e apesar de todas as medidas tomadas, os pesquisadores ainda encontraram DNA bacteriano em quase todas as amostras.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário