Comida de astronauta – O que pode ou não pode ser levado para o espaço

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Jolie 15/05/2021 Relatar Quero comentar

Inúmeras coisas estão acontecendo no mundo. A nossa responsabilidade é oferecer as notícias mais recentes e úteis.

A comida de astronauta precisa passar por alguns processos antes de ser selecionada e enviada para o espaço.

Nos Estados Unidos, esses alimentos são estudados e desenvolvidos pelo Departamento de Engenharia de Sistemas de Alimentos, no Johnson Space Center da NASA, em Houston, Texas.

Além de focar no valor nutricional dos alimentos, os pesquisadores também precisam se preocupar com outros fatores.

Entre eles, por exemplo, está o comportamento quando congelado, descongelado e levado a situações de microgravidade.

O avanço tecnológico, permitiu bastante evolução na comida de astronauta ao longo de mais de 50 anos de pesquisa.

No entanto, muita coisa ainda precisa ser feita para garantir viagens espaciais ainda mais longas.

História da comida de astronauta

No primeiro voo tripulado ao espaço, em 1961, o cosmonauta Yuri Gagarin levou algumas comidas em pasta.

Elas foram processadas e armazenadas em tubos, quase como creme dental.

Quando o primeiro norte-americano foi ao espaço, em 1962, parte sua missão era entender como a comida funcionava no corpo de um astronauta.

No entanto, foi só em 1965 que o investimento num cardápio mais eficiente entrou nos planos.

Nesse período surgiram, por exemplo, novos métodos de reidratação de alimentos, além de um tipo revestimento que evitava a liberação de migalhas no ambiente espacial.

Dessa maneira, o cardápio dos astronautas passou a incluir alimentos como camarão, frango, vegetais, torradas e pudins.

Durante as missões do projeto Apollo – entre 1968 e 1975 – a possibilidade de acessar água quente dentro das naves começou a permitir pratos mais elaborados.

Na mesma época, o lançamento da estação espacial Skylab permitiu a instalação de refrigeradores no espaço, garantindo a manutenção de alimentos perecíveis e congelados, como carnes e sorvetes.

No projeto, também houve o desenvolvimento de bandejas capazes de aquecer os alimentos, garantindo mais qualidade à comida dos astronautas.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário