Mãe deixa bebê de 2 meses em ‘boca de fumo’ como GARANTIA e perde a guarda da criança

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Beatriz 10/06/2021 Relatar Quero comentar
Olá pessoal! 

Siga para saber todas as notícias e muito mais em primeira mão! Se gostou das notícias, não esquece de compartilhar com seu amigos.

O amor de mãe por seu filho é diferente de qualquer outra coisa no mundo. Ele não obedece lei ou piedade, ele ousa todas as coisas e extermina sem remorso tudo o que ficar em seu caminho.

Amor de mãe vence preconceitos, supera os limites, enfrenta todos os desafios e te ajuda a vencer. Amor de mãe, só Deus para entender. Simplesmente amor! Mas....não são todas mães amam seus filhos.....

Nesta terça-feira, 8, um recém nascido de apenas 2 meses foi resgatado por policiais dentro de uma boca de fumo. A ação pode ser considerada abandono de incapaz. O caso aconteceu em Pontes Lacerda, a quase 500km da região de Cuiabá.

De acordo com a Polícia Militar e Civil, a criança foi deixada como forma de garantia de que retornaria para pagar a dívida que ficou pendente com os traficantes.

Uma denúncia anônima chegou ao Conselho Tutelar que, com o auxílio das autoridades, se dirigiram até o local e recolheram a criança. 

A mãe ainda não havia sido localizada.

Chegando a residência, que está localizada no bairro residencial Vera, a criança estava sob cuidados de duas mulheres, que não confessaram a motivação de estarem com a bebê ou que seria por um débito de pagamento.

Segundo as mulheres, que foram até a delegacia prestar depoimento, a mãe da criança pediu para elas cuidarem. 

A Polícia vasculhou os antecedentes criminais tanto das duas mulheres quanto da mãe. O bebê está agora, sob vigência do Lar de apoio a criança (LAC) de Pontes e Lacerda.  Segundo a Delegada, Bruna Caroline Laet, foi aberta uma investigação, baseado no artigo 238 do Estatuto da Criança e Adolescente (ECA): prometer ou efetuar a entrega de filho ou pupilo a terceiros. 

Além da bebê, ela tem ainda mais quatro filhos. O primeiro veio a óbito aos 2 anos, o segundo e o terceiro estão sob guarda de pessoas que não são da mesma família. Uma quarta criança, está em um abrigo.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário
Você pode gostar